segunda-feira, 13 de abril de 2009

Ela está em seu castelo, olê... seus cavaleiros!


"Muitos dias, em setembro ou abril para preencher consigo mesma. Distinguindo falsos cognatos “novel” cheirando a romance e margaridas. Assim os dias passam e as aulas, as línguas se tornam respostas... “o mundo não acaba” (dizem), sim, agora ele se funde numa fornalha onde meus lábios estalam.“... E que adiantou a dor, mas me queimou, pois por não saber de amar, ela ainda rainha está...”
Há existências decompostas, mas arrisco meu lugar perto da janela à procura do impossível, quando a realidade está friamente numa evasiva estátua no jardim, fonte de estimulo aonde cheguei sobre ela tantas vezes insistindo ser um momento de graça, apesar dos olhos marmorizados sem indícios de alegrias, já foi momento extraível de amor. A fonte azulóio subordina a água presa no corpo que carrega, tempo que lhe é designado, como a saliva quente da boca do poeta numa paixão visível.“... Belo motivo é por amor que vou lutando...”
Palavras de amor sem pudor, numa escada de pedras, uma peça ou coisa mais preciosa, construída e restada por dentro, secretos vértices de um pálido alicerce ruído e subterrâneo. Um admirável mundo curto... sons de cavaleiros se alinham, uns cavalgam, outros saltam ou ocupam o vazio do corpo, não cantam musicas que compõem e dispersam-se no adágio da intimidade permitindo rompimentos até o sangrar das juntas.
Cavaleiros não costumam deixar noites de paz, e esse cavaleiro, enamorando a lua, traz no olhar cálido cálice de prata; certa poesia:
“...E retirando uma pedra, olê, olê, olá...
Mas uma pedra não faz falta...”
Ele tem um estilo próprio de escrita, um vanguarda sem antecedentes, incidente no amor, mágico e divisível, um livro marcado pela boca brilhante de rivais impressoras concedendo o que foi arrancado de cada filamento da pele, entre ele e a mão, toca o corpo suado e dedos molhados de amante, no meio de lugar nenhum.
Cavaleiros beijam primeiro só a palma da mão, quase sempre ou sempremente. Sempiterno, o que resta galopando cenas que voam pela janela, amores sem reinados, flor-das-pedras, falha pétala de margarida a colorir um caminho de pedra. "
(K* Do blog "Cante de Lá que canto de cá")
Comentário de um leitor do Blog: "Cavaleiros beijam sempre a palma da mão e na outra esconde o cheiro da margarida que se despetalou no caminho ansioso...o vento é o culpado, o sol, o homem que a arrancou do pé...o homem que a escondeu no pé...o pé de botas fortes e quilhas que cortavam as geleiras do coração...pobre cavaleiro Hamlet errante, Hamlet desembestado ladeira abaixo...sem folego desatinado murchou a margarida da rapariga bonita e sinhazinha...de sombrinhas bordadas com as cores da estação...Cavaleiros beijam sempre a palma da mão...mantêm sempre uma certa distancia, uma incerteza. Se a sinhazinha aceita a flor de presente, Cavaleiros são bobos, cavaleiros tem coração, bola e balão, se a dama aceitar, o coração voa, voa que nem pétala de margarida e repousa bem quieto na página quente de um livro aberto com palavras de amor expertas! - a pedrinha deixa a porta aberta, as asas dos anjos trazem os poemas que o cavaleiro deveria ter dito á sinhazinha... o Hamlet, galanteador...insensato coração, analfabeto de coração! ah não era Hamlet era Sancho ou quiçá um dos tres mosqueteiros?"
********************************************************
Ci>> se completam como o sol e a Lua, se complementam como duas partes de uma mesma coisa, de um mesmo ser... podem não se misturar como oleo e agua, já que suas essencias são diferentes, assim como a forma de expor seus sentimentos, mas ao juntarem-se emprestam suas naturezas um ao outro, e suas composições os fazem um único emaranhado de tudo igual, e tudo diferente é um só denovo... a origem do outro lhes parece estranha, lhes causa medo, já que o pensamento se dá por imaginar "como seria você aqui, em mim, em meu espaço?".... mas a fantasia permanece por todo o dia, por todos os dias, noites a fio... não os deixa dormir, não permite que se afastem, os fazendo sentir que a cada dia mais, a origem e a natureza diferentes já não importam, já que se buscam para que se completem finalmente e para sempre!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário