segunda-feira, 11 de maio de 2009

Amante


Faz-me renascer, faz-me qualquer coisa,

preciso ser preso a alguma paixão sua,

deixo minha calma, viro selvagem,

libero das reservas que um dia acreditei,

para tomá-la como um maluco,

até atravessar sua vida com meu tesão.

Espera-me sentada à beira da cama,

deixa que os lençóis amassem,

sou o alucinado que vai jogar tudo pro alto,

liberar suas loucuras até que grite,

como se a felicidade precisasse ouvi-la

ou até que cometa alguns poucos pecados.

Deita aqui bem perto do meu peito,

ficarei à espreita da sua nudez,

quero ser um desconhecido entrando...

depois quero ser íntimo do seu inferno,

levá-la ao céu, não um que já conheça,

gosto das surpresas que lhe emudecem...

Chegarei mais à noite, abrirei a porta devagar,

inundarei sua boca de vinho, de paixão,

mostrarei uns poucos jeitos como se faz amor,

quero que peça, sem medo, sem vergonha,

deixa que não a reconheça,

mostre seus avessos da amante incontida.

Vamos fazer de conta que somos crianças,

brincar de menino e menina,

serei ora bandido, ora amante,

tenho necessidade de confundi-la aos poucos,

não a quero em paz,

preciso ser o capeta deste seu inferno bendito.

Caminho de volta para a porta... depois... bem depois

deixo a amante, deixo seu nu molhado de mim,

que um dia voltarei, deixo-lhe também a certeza,

espalhadas como juras que marquei em seu corpo,

o riso de felicidade que ficou no meio da boca,

junto do "te amo" que confessei no seu ouvido.
()

******************************************************

Ci>> Só faz poemas como este quem faz amor com corpo e alma nus... só entende poemas como este quem se propõe a amar tão intensamente a ponto de se entregar sem medidas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário