terça-feira, 19 de maio de 2009

O lenhador e o machado

Todos os anos, o lenhador se encarregava de cortar uma árvore para o pequeno vilarejo, contudo, naquele ano as coisas foram diferentes. O inverno chegou com muita intensidade e o conselho de moradores decidiu que, pela primeira vez, teriam que retirar duas árvores da floresta.
O lenhador nunca deixou de atender o vilarejo. Seu machado, com lâmina de aço e cabo de carvalho, sempre foi eficiente, derrubando árvores de diversos tamanhos e nas mais variadas condições.
Algumas vezes, a árvore mais adequada, estava em encostas inclinadas, outras vezes, encontrava-se cercada por árvores menores, que ainda não estavam preparadas para o corte, e por isso, precisavam ser protegidas durante a queda da árvore escolhida.
Para ajudar na tarefa, convidaram um jovem lenhador.
O rapaz era muito forte e havia acabado de retornar de seus estudos sobre florestas e madeira. Falava coisas diferentes como a importância do manejo sustentável e a preservação do meio-ambiente.
Seu machado era igualmente forte e sofisticado. A lâmina de titânio se completava em um cabo feito de fibra de carbono, fazendo daquele conjunto, uma ferramenta muito leve.
Nada indicava que aquela tarefa se transformaria em uma competição, contudo as regras começaram a surgir, quando um morador sugeriu o tempo de 30 minutos para derrubar as árvores. Este foi o menor tempo que o antigo lenhador levou, para derrubar um grande carvalho no inverno passado.
Imediatamente o jovem lenhador se apresentou para quebrar o recorde e desafiou o outro lenhador, a conseguir derrubar sua árvore no tempo estabelecido.
Para que a competição fosse justa, trataram de encontrar árvores em condições similares, e o que era apenas uma simples tarefa de lenhador, tornou-se um grande evento para os moradores do vilarejo.
Todos queriam ver a disputa entre o antigo e o novo lenhador. Algumas apostas surgiam entre os moradores, e muitos já consideravam que o resultado era fácil de prever.
Com os lenhadores posicionados, foi acionado o relógio.
Imediatamente o jovem lenhador pegou seu machado e depois de uma rápida olhada para árvore, deu seu primeiro golpe. Foi uma pancada tão vigorosa que deixou muitos moradores impressionados com sua força.
Golpe após golpe, o jovem lenhador mostrava toda sua energia e capacidade. Ele estava determinado a derrubar a árvore antes do tempo. A única pausa que fez, foi para retirar sua camisa, naquela altura, completamente molhada pelo suor.
O antigo lenhador, havia se sentado em uma pedra próxima da árvore que deveria derrubar. Em suas mãos, havia uma pequena lima, que ele lentamente esfregava pela lâmina de seu machado, enquanto observava todo aquele movimento.
Após algumas dezenas de golpes, estava claro que o trabalho do jovem lenhador terminaria em breve, pois sua árvore já dava sinais de que estava prestes a encontrar o chão.
Foi neste momento que o antigo lenhador se levantou, pegou seu machado e deu seu primeiro golpe.
Não foi um golpe espetacular como o do jovem lenhador, mas foi de uma precisão assustadora, pois penetrou no tronco da árvore profundamente. O lenhador retirou seu velho machado e novamente deu outro golpe com mais profundidade, criando um grande fenda.
Caminhou lentamente para o lado oposto da árvore e deu um novo golpe, desta vez mais elevado. Quando deu seu quarto golpe, seus movimentos ficaram claros.
Para surpresa de todos, a árvore iniciou sua inclinação final, caindo no mesmo momento em que a árvore do jovem lenhador atingiu o solo, e quando o relógio marcava precisamente 30 minutos.
O jovem ficou tão impressionado com a experiência do antigo lenhador, que ainda ofegante, foi parabenizá-lo pela espetacular performance dizendo:
- Se o senhor derrubou está árvore com quatro golpes, nem imagino o que faria se tivesse a minha energia e meu moderno machado. Qual é o seu segredo?
O antigo lenhador sorriu e disse:
- Não há nenhum segredo. Cortar uma árvore é muito simples, qualquer um corta. A única coisa que fiz foi afiar meu velho machado. Como não estava aplicando golpes com ele, pude observar a direção do vento, a inclinação do terreno, o tronco da árvore e assim decidir o melhor momento de iniciar minha tarefa e principalmente, onde dar os golpes.
Ele completou:
- Se quiser bons resultados e tiver pouco tempo, afie bem o seu machado.
(Sidnei Oliveira
www.sidneioliveira.com.br)
*****************************************
Ci>> Há pelo menos uns 10 ensinamentos dentro deste texto. Eu tiro o principal deles (na minha humilde opinião): Ninguém sabe absolutamente tudo, a troca de experiência É INDISCUTIVELMENTE necessária para obter o melhor resultado de algo. Ninguém é velho demais ou jovem demais para fazer algo, e todo mundo sempre tem algo para contribuir, basta ter a oportunidade de expor e a boa vontade de agregar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário