segunda-feira, 18 de maio de 2009

Transforme paixão em amor

Você já se apaixonou alguma vez? Se a sua resposta for sim, você não vai ter a menor dificuldade em identificar aquela deliciosa sensação que se apossa de nós quando apaixonados. Vou chamar essa sensação de “força erótica”. Uma força que chega de repente às nossas vidas, muitas vezes nos pegando de surpresa como um vendaval que acaba por não deixar nada no lugar.
Quando nos apaixonamos, como se tivéssemos tomado uma poção mágica, por algum período de tempo nos tornamos o melhor que podemos ser. É como se a paixão nos conectasse com as mais belas qualidades do nosso Eu Superior. De repente deixamos de ser egoístas e nos abrimos em generosidade para com o ser amado. Abandonamos a inércia, nos sentimos vivos, cheios de energia, de alegria, de amor. Até mesmo a pessoa mais raivosa, torna-se encantadoramente paciente quando atingida pela força erótica.
O que precisamos entender, no entanto, é que a paixão é uma 'amostra grátis' do que pode ser o amor, uma amostra do 'melhor que podemos ser' em um relacionamento. E como qualquer amostra grátis, está fadada a se esgotar.
Mas será que precisa ser assim?
Não. A chama não precisa se apagar. Mas existe algo a ser aprendido para que nossos relacionamentos se mantenham vivos. E é disso que se trata este artigo.
Um relacionamento sadio entre duas pessoas deve conter uma combinação harmoniosa de três forças: amor, força erótica (eros) e sexualidade. Na maioria das vezes, no entanto, apenas duas delas se combinam, proporcionando relacionamentos cuja satisfação é apenas parcial.
A força erótica, a paixão, leva os relacionamentos a evoluírem até certo ponto. A partir daí, sem que nos esforcemos em transformar a relação em um espaço de crescimento, parece que o encanto se vai e o relacionamento acaba por morrer.
Pense nos Eus que temos dentro de nós! Quando estamos apaixonados, o nosso “Eu Criança” se delicia com o frescor, a curiosidade e a aventura de começar um novo relacionamento, não é? Ao mesmo tempo, quase magicamente, o nosso “Eu Superior” se manifesta oferecendo ao outro o que temos de melhor. Mas à medida em que o tempo passa e a rotina vai se instalando no relacionamento, a “Criança” em nós começa a ficar entediada e o “Eu Inferior”, com todos os seus medos, falhas, destrutividades e inseguranças começa a vir à tona. Se não formos capazes de reforçar ainda mais a nossa conexão com o Eu Superior, com certeza teremos problemas e o calor da paixão começa a esfriar.
É nesse ponto que precisamos tomar uma decisão. Quando em um relacionamento existe amor e sexualidade, mas força erótica já não existe mais, um dos parceiros, senão ambos, começa a se sentir incomodado. Aqui ressalto duas coisas que comumente ocorrem. Uma delas é que a pessoa incomodada, apesar do amor, opte por se separar de seu parceiro e sair em busca de um novo relacionamento, sem se dar conta de que esse novo relacionamento chegará a esse mesmo ponto em que está agora porque, lembre-se: a força erótica não dura para sempre. Outras possibilidade é que as pessoas permaneçam na relação, mas comecem a buscar a força erótica perdida em relacionamentos paralelos, e assim instala-se a infidelidade como uma compensação para a sensação de que a vida do relacionamento se foi.
No entanto, acredite: nenhuma dessas estratégias leva a alma ao lugar sagrado para onde deveria ir: o lugar do amor. Por que nos relacionamos? O real sentido e propósito dos relacionamentos não é o de nos proporcionar felicidade ilimitada e completa, e sim a de nos ajudar a crescer e nos ensinar a amar. Funciona assim: nós, seres humanos, precisamos aprender a amar, ok? Então começamos treinando isso com uma outra pessoa, em um relacionamento, para que mais tarde possamos viver o amor maior: amor por todas as formas de vida, amor por tudo o que existe (lições avançadas!).
Quando entendemos isso, entendemos que apenas o amor pode durar, e que a paixão tem a tarefa de nos levar até determinado ponto, após o qual precisamos usar nossa própria força e vontade para transformar essa força erótica em uma ponte que nos ensine a amar. Pena que tantas pessoas desistam quando chegam a este ponto.
Como transformar paixão em amor e manter viva a chama de um relacionamento? Pense na Criança entediada que citei acima. Ela só ficou entediada porque, em algum momento de nosso relacionamento passamos a acreditar que já sabíamos tudo sobre o nosso parceiro. Passamos a achar que já não havia nada a descobrir. Mas esse é um grande engano. Como podemos acreditar que já conhecemos tudo sobre uma alma que, além de infinita, está em constante transformação? Cada pessoa, em si, é tão rica que nem mesmo mil anos seriam suficientes para que a conhecêssemos por inteiro. Logo, a primeira coisa para transformar eros em amor é continuar buscando o outro. Olhar nos seus olhos em busca da sua alma, como se não o conhecêssemos. Continuar querendo saber quem esse outro é. Precisamos fazer isso dia após dia. Mas não basta apenas buscar o outro. Existe um outro passo muito importante para a manutenção do eros em um relacionamento: corrermos o risco de nos mostrarmos ao outro.
Aqui entra uma dificuldade extra, a necessidade de mostrarmos não apenas o nosso Eu Superior (isso é fácil, não é?), mas corrermos o risco de revelarmos também o nosso Eu Inferior. Atenção: não se trata de jogar o Eu Inferior sobre o outro! Não se trata de gritar, agredir, abandonar, e por aí vai... Trata-se, isso sim, de permitirmos que o outro veja que não somos ainda tão perfeitos como gostaríamos. Trata-se de superar a vergonha e deixar que o nosso parceiro perceba as nossas falhas e nos ajude a curá-las. E assim, nessa combinação de “busca do outro” e “revelação pessoal”, ajudamos um ao outro a manter a Criança viva e a curar o Eu Inferior, mutuamente nos ajudando a crescer.
Como vocês veem, a paixão pode durar, mas não é para todos! É um fruto delicioso reservado àqueles que tiverem coragem suficiente para transformar o seu relacionamento em uma jornada de crescimento. E acreditem, quando vocês realmente se decidirem a empreender essa jornada, atrairão para vocês um parceiro que possa estar a seu lado.
(Patricia Gebrim by Leonardo do blog "Amigos do Freud")
*****************************************************
Ci>> Chega um momento em que nos perguntamos se tudo o que vivemos queremos repetir... o que queremos em nossa vida, e o que não queremos... quais erros nos arriscamos a cometer novamente, e quais erros efetivamente decidimos não cometer mais? Esse momento é crucial para o crescimento de qquer ser humano, partindo-se do princípio que somos mortais, falhos e inconsequentes com nossos corpos (leia-se aqui "instrumento dado por Deus para evoluirmos o espirito")... Usando este instrumento, cometemos burradas inenarráveis, e se não aprendemos com o erro, cometemos o mesmo denovo, e denovo, e denovo...e a evolução? Não acontece.
Da mesma forma, pensando nos momentos que passamos, como vivemos até hoje, o que fizemos e por quem fizemos, para quem fizemos, o que doamos, o que recebemos e como aproveitamos tudo isso, quando bate o momento de decidir se queremos denovo, a resposta é muito clara: queremos o que foi bom, repetiremos o que nos trouxe o bem... o que foi ruim, ficou para trás e automaticamente rejeitaremos qualquer coisa que lembre aquela sensação... o que foi bom será recordado, e a sensação de prazer e êxtase faz com que nos aventuremos a repetir a jornada.
Engraçado como quando nos colocamos em questionamentos sobre a vida, as respostas vêm através de sinais, e nos mostram qual caminho devemo seguir... por incrivel que pareça, este caminho me faz pensar (denovo) se é mesmo isso que quero, e se a recíproca é verdadeira.... não aceitarei denovo nada que não seja melhor do que já tive! Só buscarei aquilo que realmente eu veja que terá reciprocidade e que tenha algo a me ensinar. Momentos vividos só pelo momento agora não fazem mais parte da minha vida, nem promessas vazias, nem falsas palavras e ilusões, tão pouco atenção ao que não merece. Se não agregar nada, não tem porquê... e o que não tem um porquê, não tem essência, e não deve existir. Energias focadas no que possua essência, e do que posso extrair melhorias para evoluir, aprendizados. Caso contrário, não vou gastar sequer 1min do meu dia pensando a respeito....

Nenhum comentário:

Postar um comentário