sexta-feira, 26 de março de 2010

Lanterna dos Afogados

Paralamas do Sucesso e Gal Costa - MTV


Quando tá escuro
E ninguém te ouve
Quando chega a noite
E você pode chorar

Há uma luz no túnel
Dos desesperados
Há um cais de porto
Pra quem precisa chegar

Eu estou na lanterna dos afogados
Eu estou te esperando
Vê se não vai demorar

Uma noite longa
Pra uma vida curta
Mas já não me importa
Basta poder te ajudar
E são tantas marcas
Que já fazem parte
Do que eu sou agora
Mas ainda sei me virar

Eu tô na lanterna dos afogados
Eu tô te esperando
Vê se não vai demorar
***********************************************

quarta-feira, 24 de março de 2010

Não nascemos prontos

Gente não nasce pronta e vai se gastando. Gente nasce não-pronta e vai se fazendo.

O grande desafio humano é resistir à sedução do repouso, pois nascemos para caminhar e nunca para nos satisfazer com as coisas como estão.
A insatisfação é um elemento indispensável para quem, mais do repetir, repetir, repetir,
deseja criar, inovar, refazer, modificar, aperfeiçoar.

Assumir esse compromisso é aceitar o desafio de construir uma existência menos confortável, porém ilimitada e infinitamente mais significativa e gratificante.

(por Mario Sergio Cortella, do livro "Não nascemos prontos!" - Provocações Filosóficas - do site do primeiro programa)

*************************************
TOQUE DE LUZ

Descanso

Você tem o direito de descansar. O descanso é o seu investimento, é o meio de juntar forças e ver a vida claramente. Descanso é recolher-se da interação com as outras pessoas e até da interação com você mesmo. Você realmente descansa quando, em silêncio, mergulha rumo a um lugar mais espaçoso dentro de si. Lá é o lugar da aceitação e da quietude; é onde você restaura o seu senso de perspectiva, se cura da intensidade e relaxa. É lá que os pedaços se juntam e, como em um quebra-cabeça, dias, semanas, meses, se tornam um todo. E, quando todas as peças se encaixaram você tem a visão do que simplesmente é.


(por Brahma Kumaris)
*********************************
É dificil, uma prova dolorida, um dia-a-dia sem fim... nunca pensei que o cotidiano fosse tão dificil, tão demorado, tão cheio de nós... mas é, causa sensação de impotência, de cansaço, uma vontade de far niente, um desanimo de tudo... as pernas e a vontade não obedecem a cabeça e só quem passa é que sabe como é difícil ter que superar e SE superar todos os dias! Superar o cansaço, superar as dores da alma, as desilusões, as saudades, o descrédito da vida! Só a fé é capaz de manter este espírito de mudança vivo, só Deus...

Mantenha-se em permanente estado de mudança

"Perceba que quando você muda o pensar, muda as suas crença.
Quando você muda as suas crenças, muda as suas expectativas.
Quando muda as suas expectativas, você muda, também, as suas atitudes.
Mudando as atitudes, você muda seu comportamento.
Quando você muda o seu comportamento, muda junto a sua atuação.
E, por fim, quando você muda a sua atuação você muda o mundo."
(Do site do primeiro programa)

terça-feira, 23 de março de 2010

Te amo!

Amo toda tu figura, modelo de lo increíble
Belleza y virtud en una, tu soltura al perdonar
No dejas morir a nadie y vas sembrándonos ilusiones
Tú no sabes lo que causas
Creo que aun no te has dado cuenta
Haces que la gente agradezca tu existencia

Te amo, más que a un nuevo mundo
Más que a un día perfecto
Más que a un suave vino
Más que a un largo sueño
Más que a la balada de un niño cantando
Más que a mi música, más que a mis años
Más que a mis tristezas, más que a mis quehaceres
Más que a mis impulsos, más que a mis placeres
Más que a nuestro juego preferido
Más aun que esto te amo

Amo toda tu persona, parábola de la vida
Poderosa cenicienta
Tu destreza para amarnos
No olvidas dolor de nadie y te desvives por alegrarnos
No has notado lo que eres y me aterra que lo notes
Haces que las rosas se peleen por ser tu broche

Te amo, más que a un nuevo mundo
Más que a un día perfecto
Más que a un suave vino
Más que a un largo sueño
Más que a la balada de un niño cantando
Más que a mi música, más que a mis años
Más que a mis tristezas, más que a mis quehaceres
Más que a mis impulsos, más que a mis placeres
Más que a nuestro juego preferido
Más aun que esto te amo

Más que un largo viaje
Más que a un rubio campo
Más que a un viejo amigo
Más que a cualquier santo
Más que a tu pureza adornada de errores
Más que a tu tenacidad que no se rompe
Más que a tu alegría, más que a tus colores
Más que a tu sensualidad que crees que escondes
Más que a nuestro beso primero
Más aun que esto te amo
Más que a nuestro beso primero
Más aun que esto te amo
Más que a nuestro beso primero
Más aun que esto, te amo más
Que a nuestra mágica noche de bodas
Más aun que esto te amo… te amo


domingo, 21 de março de 2010

Eu quero alguém...

Eu quero alguém...
Preciso ter ao meu lado,
um homem... livre como eu.
Sem vínculos com o passado,
que eu pensei já ter encontrado.

Eu me enganei.

Achei que você compreenderia, afinal
é sempre tão perspicaz!
Mas de me compreender, não é capaz.
Deu-me a sua metade...
mas é muito pouco para mim...
Eu o quero inteiro!
Amante e companheiro,
cúmplice nos bons momentos,
e nos maus também...
sem mais ninguém.

Foram tantos conluios, considerações
que pareciam refletir consenso.
Erroneamente acreditei
que pensava como eu penso...

Mas... quando?
Não sei...

Quando penso em você,
afasta-se de mim, essa sensação tão familiar,
de solidão e tédio...
que não tem mais remédio, porque...
você finge não saber,
da minha ansiedade
da minha necessidade,
de você...

Por isso eu quero alguém...
Alguém que vá além
dessa detestável prática de esperar...
Não dá mais...
E ponto!

Vontade Insana

Minha vontade insana
em ter-te ao meu lado
transforma meus dias
em eterna saudade

Meus beijos esperam teus lábios
E meus pensamentos alçam vôos
Levando-me ao teu encontro,
mas nao posso tocá-lo

Tuas palavras de amor
ecoam em meus pensamentos
chegam como bálsamos ao meu viver
que agora te espera

Ao longe o mar
murmúrio do meu cantar
sussurro baixinho teu nome
Desejo ter-te em meu ninho

Que as ondas levem até o teu coração
o que há de melhor do amor
que existe em mim!

A HORA IMÓVEL

Tenho dúvidas se estou por dentro
ou por fora
mesmo na hora do amor.
Pareço letra perdida à procura
da palavra.
Mas as palavras também se perderam
dos usos cotidianos
e da realidade .
Elas escaparam do papel
e criaram seus próprios espaços
cênicos.
Fala-se que as palavras se libertaram
e que elas hoje freqüentam
outros ambientes.
Estão em objetos e performances.
Em leis que não são aplicadas

E eu fico aqui me perguntando
onde está a palavra antes da palavra?
Aquela que nos devolve sem cessar
a consciência da total ambivalência?
Aquela que rompe com os marcos
da duração e estabelece a hora imóvel
que os relógios não marcam?

Rubens Jardim
****************************************************
Ci>> "Eu fico aqui me perguntando: onde está a palavra antes da palavra? [...]" - Não sei, não a encontro. É uma ponta de um fio de lã, e eu não consigo puxar denovo. As palavras se foram com a emoção, com a inspiração... hoje vejo outras palavras, sinto as palavras (aqui dos outros) mas não consigo reproduzir mais as minhas. Estão tão reprimidas que ainda que eu faça uma viagem dentro de mim mesma, não consigo encontrar a trilha... estou cheia de ruas, cheia de bifurcações, setas e placas para todos os lados... para onde ir???

O diário de um Sedutor: Soren Kierkgaard

O Diário de um Sedutor é um livro escrito pelo filósofo dinamarquês Søren Kierkegaard.

Enredo

Corresponde ao estádio estético da existência que o próprio Kierkegaard viveu, enquanto se entregava a uma vida boémia pelos salões e teatros de Copenhaga. O sedutor kierkegaardiano desempenha o seu papel na época da juventude, pautada pelos padrões da vivência estética, em que a ópera se revela mais real do que as próprias contingências do quotidiano com suas responsabilidades e deveres. De facto, o esteta rejeita o compromisso, move-se de uma forma subtil por entre os prazeres delicados da música e da arte e, nessa linha de acção, a mulher é simplesmente um dos pólos no conjunto de uma multiplicidade de prazeres. Johannes, o diarista desta obra, conta o modo como seduziu a inocente e pura Cordélia, os ardis de que se serviu para se insinuar na sua esfera social, o modo como lhe foi captando a atenção, principalmente quando se anulava enquanto espectador interessado, a astúcia que o fez cativar a tia para chamar a atenção da sobrinha e como, finalmente se tornou seu noivo. No entanto, esta assumpção do noivado não interessava ao nosso esteta, pois uma vez seduzida, qualquer jovem perde o interesse para o sedutor, pois o noivado e o casamento não podem inscrever-se nos contextos da fruição artística. Ele não quer possuir, muito menos conquistar ou conduzir até ao altar o objecto de sedução: o seu prazer reside no deleite de absorver o rubor da face da jovem enlanguescida, o tremor do lábio, o agitar dos cílios… e, embora Cordélia seja a protagonista por excelência desta obra, o certo é que Joahnnnes lança as suas redes sobre outras jovens, deleita-se, no mero fruir da contemplação, nessa "concupiscência espiritual" tão cara ao espírito superior do joven Sören. O noivado, porém, como antecâmara do casamento revela-se destruidor do espírito de pura estética que anima o sedutor Johannes e é por isso necessário que os liames se desatem, já que a hora de assumir compromissos ainda não chegou. Quando esse momento se anunciar, cessa de todo o espírito estético como cessa a fruição inefável dos actos de sedução: o esteta deve romper com a vida boémia, instalar-se no geral e renegar o donjuanismo que antes o animara. Sabemos que o jovem Sören tentou, em vão, aderir ao comprometimento ético com a bela Regina Olsen e, se não veio a consegui-lo não foi porque o motivasse o regresso à vivência própria do período estético - os saltos existenciais não se dão para trás - mas porque a sua vocação de pensador metafísico o atirou para a solidão da missão religiosa.

"A vida só pode ser compreendida olhando-se para trás; mas só pode ser vivida olhando-se para a frente." Soren Kierkegaard

********************************

Ci>> o "Existencialismo à flor da pele" por assim dizer... um resumo de quem foi e a obra que deixou Kierkgaard: http://existencialismo.sites.uol.com.br/kierkegaard.htm. Eu recomendo!

sábado, 20 de março de 2010

Caminante no hay camino

Vá em frente e aproveite bem o caminho. Não importa se é impossível avistar onde vai dar essa estrada. Às vezes, um percurso sinuoso ou íngreme apresenta uma paisagem que uma reta jamais mostrará. Saiba qual é o seu objetivo ao pegar essa estrada e simplesmente entregue-se à aventura de ir em frente, sem se deixar abater pelos obstáculos; afinal são eles que permitem uma visão mais interessante dos lugares.
(do site do primeiro programa)
*****************************************
Ci>> Desta vida só levamos uma coisa: o nosso legado! Fazer tudo para ter o máximo de experiencias boas nesta vida é a Meta... viver intensamente os momentos, ainda que os piores, pois até os nossos lutos devem ser bem vividos... deles saímos mais fortes para as próximas quedas. Dói, não nego, mas seguir em frente é uma ordem...

O que os homens querem das mulheres?

O Dia Internacional da Mulher passou longe da minha coluna quinzenal. Assim, vou levar a sério o galanteio dos que dizem "todo dia é dia de vocês" e continuar uma velha conversa que sempre retorna, por volta do 8 de março: afinal, o que querem as mulheres? Sucessivas gerações de homens retomaram a pergunta, desde que Freud confessou sua perplexidade à amiga Marie Bonaparte no começo do século passado.

Se a descoberta freudiana ainda valer e o inconsciente continuar recalcado, o desejo, no sentido radical da palavra, é enigmático para homens e mulheres. Não há distinção de gênero frente à opacidade das representações estranhamente familiares que nos habitam e motivam lapsos, deslizes, sintomas, fantasias. Já no plano das vontades mais pedestres, do destino que damos a essa insatisfação permanente a que se chama vida - talvez aí se possa especular se os homens seriam menos enigmáticos que as mulheres.

Por uma questão de método, vale considerar o ponto de vista dos que, como Freud, se confessam incapazes de satisfazer esses seres ambíguos que somos nós, do sexo feminino. Os homens, talvez para se esquivar da intromissão feminina, declaram ser pessoas fáceis de contentar. Além de sexo, dedicação e carinho (mas sem exagero!) das amadas, querem respeito profissional e, claro, ganhar bem. O que mais? 90% de minha amostragem particular responde: ler o jornal inteiro no domingo, jogar conversa fora com os amigos de bar de vez em quando e ver futebol na TV sem ser ???interrompidos. Essa opção, há quem troque por uma soneca no sofá.

Parece que com esse pacote de pequenas alegrias, tudo estaria bem. Mas, atenção: as mulheres, convidadas gentilmente a não aporrinhá-los durante suas atividades favoritas, devem estar a postos quando eles solicitarem. O casamento para o homem, disse uma vez Mario Prata, significa botar uma mulher dentro de casa. E depois, sair pra rua. Só que ela precisa estar lá quando o cara voltar, de preferência sem questionar por que ele saiu em vez de se contentar com tudo o que ela tem a oferecer. Melhor fazer essa pergunta ao ex-marido da Amélia, aquela dedicada que ele abandonou em troca da outra, cheia de exigências.

Mas perguntemos também, como meu colega de coluna, Marcelo Paiva, por que tantas mulheres hoje (nem todas! só as de 40 pra cima) não querem mais se casar? Essa pergunta é simétrica àquela formulada pelo historiador da revolução francesa, Jules Michelet, aos homens que no fim do século 19 preferiam as aventuras do celibato à responsabilidade do casamento. Michelet lamentava o destino das moças pobres e remediadas que, fora da instituição do matrimônio, ficavam desprotegidas, vulneráveis, sem perspectiva de futuro.

A recusa mudou de lugar? Por que as mulheres de hoje, cumprida a etapa inicial da criação dos filhos, preferem não entrar num segundo ou terceiro casamento? Hipótese: porque não precisam mais dele. Não do homem, nem do amor: do casamento. Nem todas as que desistem de casar de novo são, como pensa Marcelo, desiludidas com o amor. As mulheres que já se casaram algumas vezes podem ter desistido do casamento porque esse existe, até hoje, para tornar confortável a vida - dos homens. Separados, eles procuram imediatamente uma esposa que substitua a primeira, enquanto elas parecem não ter pressa nenhuma de voltar ao estado civil anterior. Isso não quer dizer que tenham desistido de amar. Pode ser que estejam à procura de outras coisas, além das que o casamento proporciona. Aliás: é nessa hora, quando uma mulher não se contenta mais com o que seu homem lhe oferece, que ele a acusa de não saber o que quer.

Muitas coisas os homens podem nos dar. Amor, prazer, carinho, apoio. Aquele olhar de desejo que embeleza a mulher. E filhos, quase todas queremos os filhos. O que mais? Profissão e independência econômica ficam fora do pacote do amor. Poder, também: mas o verbo é mais instigante que o substantivo. As mulheres querem poder muitas coisas. Depois que os filhos crescem e antes que lhes tragam netos pra cuidar, o que querem as mulheres? É simples: tudo o que não puderam viver até então. Está certo: tudo, tudo não pode ser. Vá lá, quase tudo. Com vocês ou sem vocês, meus caros; quase tudo. Caberia até perguntar: por que os homens (não todos! só os de 40 pra cima) querem tão pouco?

Basta olhar à sua volta. Uma fila de cinema: 60% de mulheres, 40% de homens (os jovens talvez sejam exceção). Um concerto? 70% pra nós. Exposição de arte, idem. Metrô pra qualquer lugar, fora de horários de pico: mulheres, mulheres. Carnaval, festa-baile: olha lá elas dançando, com ou sem parceria masculina. Viagens, ecoturismo, passeatas - a lista é longa.

Por isso mesmo a mulher pode hoje dar a seu parceiro o que nenhuma geração anterior ao século 20 podia dar. Aquilo que o poeta francês Benjamin Pérec chamou de amor sublime: o amor da carne, mais o da sublimação. As três últimas gerações de mulheres, não limitadas ao espaço doméstico, são capazes de conversar sobre quase tudo com seus companheiros. Compartilhar ideias, projetos, ambições, bobagens, piadas, boemia, lutas. A vida pode ser bem boa desse jeito, e o amor, uma conversa sem-fim.

O filósofo romeno Cioran afirmou que as mulheres são as novas-ricas do mundo da cultura. Talvez por isso falemos demais. Em compensação, os maridos não são mais os nossos únicos interlocutores.

Maria Rita Kehl
by Leonardo - Amigos do Freud
**************************************

Canteiros

Quando penso em você
Fecho os olhos de saudade,
Tenho tido muita coisa
Menos a felicidade.

Correm os meus dedos longos
Em versos tristes que invento,
Nem aquilo a que me entrego
Ja me dá contentamento.

Pode ser até manhã
Cedo, claro, feito o dia,
Mas nada do que me dizem
me faz sentir alegria.

Eu so queria ter do mato
Um gosto de framboeza,
Pra correr entre os canteiros
E esconder minha tristeza.

E eu ainda sou bem moço pra tanta tristeza,
Deixemos de coisa, cuidemos da vida,
Senão chega a morte
Ou coisa parecida
E nos arrasta moço
Sem ter visto a vida.

(Música do Fagner, poema de Cecília Meireles)
**********************************************
Ci>> Somos mesmo feitos de música e som, de poemas, é incrivel como podemos ver a figura de alguém quando ouvimos certas músicas em certos momentos da vida...


domingo, 7 de março de 2010

Tocando em frente

Tocando em Frente

Almir Sater

Composição: Almir Sater e Renato Teixeira

Ando devagar porque já tive pressa
Levo esse sorriso porque já chorei demais
Hoje me sinto mais forte, mais feliz quem sabe
Só levo a certeza de que muito pouco eu sei
Eu nada sei

Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maçãs,
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir

Penso que cumprir a vida seja simplesmente
Compreender a marcha e ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro levando a boiada
Eu vou tocando os dias pela longa estrada eu vou
Estrada eu sou

Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maçãs,
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir

Todo mundo ama um dia.
Todo mundo chora
Um dia a gente chega
e no outro vai embora

Cada um de nós compõe a sua história
Cada ser em si carrega o dom de ser capaz
De ser feliz

Conhecer as manhas e as manhãs
O sabor das massas e das maçãs
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir

Ando devagar porque já tive pressa
E levo esse sorriso porque já chorei demais
Cada um de nós compõe a sua história,
Cada ser em si carrega o dom de ser capaz
De ser feliz

segunda-feira, 1 de março de 2010

olá

"INTENTO"
 
Amor,
Sem Fulgor.
 
Vida,
Sem Lida.
 
Um Som,
Sem Tom.
 
Uma Poesia,
Sem Fantasia.
 
-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-
 
 
"COMPORTAMENTO"
 
TEM OS QUE TEM E NÃO;
TEM OS QUE SEM, E SÃO,
TEM OS QUE VÊEM E VÃO.
 
-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-
 
 
CãRiùá TaTaRaNa
 
P.S: Era para ter enviado pelo correio do "facebook",
mas aí teve uns "probreminhas", sei lá.
 
Em todo caso a página esta no ar:
 
Semana-Boa!