domingo, 6 de junho de 2010

Insegurança

Uma das dificuldades do nosso crescimento emocional é não encontrarmos nosso próprio jeito de viver e desenvolver.
Cada um de nós é único e responsável pela própria vida. Isso, porém, só ocorre se tomamos consciência do nosso valor pessoal, enquanto pessoas singulares.
Nunca existiu, não existe e jamais existirá alguém igual a cada um de nós. Ser um indivíduo significa tomar as decisões de nossa vida, baseando-se na autonomia própria da nossa natureza, ou seja, de acordo com nossas ideias, nossos sentimentos e nossos valores.
Pessoas que querem agradar sempre, que querem sempre ser compreendidas e aprovadas, dificilmente trilharão esse caminho. E com isso não poderão ser felizes, porque a felicidade pressupõe liberdade e amor, começando pelo amor a si próprio. A criança, por não saber ainda viver por conta própria fica atada aos pais. Essa deveria ser apenas uma fase.

À medida em que vamos crescendo, temos de ir nos fazendo para a liberdade e, com isso, nos tornando pessoa. O amor verdadeiro entre as pessoas acontece a partir da individualidade de cada um e da escolha de estarem juntos. Qualquer submissão ou dominação ao outro realça a dependência. O medo do desamparo, da solidão, da rejeição e da perda é que nos faz dependentes. Haverá, porém, perda maior para o ser humano que perder o próprio desejo, a própria liberdade? Ser livre não é fazer o que queremos. Ser livre é saber casar meus desejos com a realidade, movido pelo amor e não pelo medo.

Toda pessoa dependente emocionalmente, no fundo, quer dominar a outra pessoa. “Eu me submeto desde que você fique sob a minha dominação”. O que é um grande engano. Nada podemos fazer para que alguém não nos abandone. Devemos nossa vida, de acordo com nossos princípios e desejos, e quem quiser se relacionar conosco tem de nos aceitar, livres e alegres.
Antônio Roberto by Leonardo - Amigos do Freud
*******************************************
Ci>> ser feliz por voce, todos os dias, amar a si próprio/a primeiro para dar amor depois... resgatar sua dignidade própria e te-la acima de tudo. Quem não se respeita, não merece o respeito de ninguém. O Amor (não importa de qual tipo de relacionamento) não pode ser um imposto, algo que venha a nós por imposição, obrigação ou pedido. Deve ser tão espontâneo quanto o vento que derruba a folha de uma árvore, e para que valha a pena, devemos sentir isso... ou então não vale a pena, não é amor...é Ego, orgulho ferido.

2 comentários:

  1. Luiz Fernando B.A.11 de junho de 2010 12:52

    Amor ... você nunca sabe se realmente é amor. E quando sabe que é, não consegue fazer com que o outro saiba.

    ResponderExcluir
  2. Oie Ci
    nossa esse texto é tudo de bom
    ...com certeza mais uma explicação sobre a liberdade de ser...
    mega beijo

    ResponderExcluir