quarta-feira, 4 de maio de 2011

Enfrentando Tempestades na Vida

MANÁ DA SEGUNDA
Por Robert J. Tamasy
 
Diversos tornados rasgaram caminho através da nossa comunidade recentemente. Ninguém morreu, mas várias residências foram severamente danificadas, muitas por árvores que foram arrancadas pelas raízes e lançadas contra as casas. Isso me lembrou o comentário de um empresário japonês após observar as consequências da passagem de um furacão. Ele disse que inúmeras belas árvores tinham sido arrancadas e espalhadas como se fossem ervas. Outras, porém, imponentes, tinham permanecido de pé, sem ser afetadas pela tormenta. Ele notou uma diferença: as árvores derrubadas possuíam raízes superficiais. Quando a chuva e os ventos chegaram, caíram com relativa facilidade.
 
Os que labutam no turbulento mundo empresarial e profissional sabem que o mercado global tem experimentado mudanças violetas e frequentemente inesperadas. Muitas organizações não sobrevivem a essas tempestades de incertezas. E como será que como indivíduos ou corporações fazemos para resistir aos ventos de mudança? Como evitar ser desarraigado e lançado à
distância para perecer?
 
A chave é um sólido e resistente sistema de raízes. Corporativamente falando isso abrange um vigoroso sentido de missão. Em essência, "Por que estamos aqui e o que estamos fazendo?" Igualmente importantes são os valores que abraçamos. Isso responde à questão: "De que forma fazemos o que nos propomos fazer?"  Em outras palavras, quais as questões éticas inegociáveis? Quais os padrões com os quais nunca transigiremos, não importa a circunstância?
 
Outra parte importante do sistema de raízes  é a visão: onde estamos e para onde caminharemos? Como afirma Provérbios 29.18, "Onde não há visão, o povo perece...". Podemos adotar os valores da cultura que nos rodeia; podemos escolher nossa missão entre inúmeras fontes; nossa visão pode assumir diversas formas. Porém, mesmo no século XXI, um sistema de raízes é
incomparável: a Palavra de Deus. Eis algumas sugestões:
 
Fundamento sólido permanece vigoroso. Falando a Seus seguidores Jesus Cristo apresentou a analogia de uma construção. "Quem ouve esses Meus ensinamentos e vive de acordo com eles é como um homem sábio que construiu a sua casa na rocha. Caiu a chuva, vieram as enchentes, e o vento soprou com força contra aquela casa. Porém ela não caiu porque havia sido construída na rocha" (Mateus 7.24-25).
 
Fundamento instável desmorona rapidamente. Jesus avisou sobre a tolice de saber o que é certo e não colocá-lo em prática. "Mas quem ouve esses Meus ensinamentos e não vive de acordo com eles é como um homem sem juízo que construiu a sua casa na areia. Caiu a chuva, vieram as enchentes, e o vento soprou com força contra aquela casa. Ela caiu e ficou totalmente destruída" (Mateus 7.26-27).
 
[...]
 
Ci>> Dificil mesmo é manter seus principios e seus valores em meio ao caos, quando todo mundo tomba ao primeiro sinal de corrupção, quando você é unico entre muitos, e a unica forma de sobreviver é se juntando a eles. Neste momento cria-se um ser sem cabeça: ele até se move, mas para onde o levam, como um réles pedaço de nada....!

Nenhum comentário:

Postar um comentário