segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

O Amor, a Vaidade e a Ilusão

... Certo dia, nasceu uma flor no planeta do pequeno príncipe. Era um rosa. E o principezinho logo tratou de cuidá-la; era tão linda!
"O pequeno príncipe percebeu logo que a flor não era modesta. Mas ela era tão envolvente!"..."Assim, ela logo começou a atormentá-lo com sua doentia vaidade."" – À noite me colocarás sob uma redoma de vidro. Faz muito frio no teu planeta (…)"..."Então ela forçou a tosse para causar-lhe remorsos."
 
O principezinho começou a duvidar de sua flor. Ficou entristecido, embora fosse sincero o seu sentimento. Teve grande vontade de partir. Preparou tudo. Conheceria outros planetas.Na despedida, a flor disse que o amava e dispensou a redoma e os outros cuidados."É preciso que eu suporte duas ou três larvas se quiser conhecer as borboletas."Disse-lhe adeus, mas não chorou. Ela era muito orgulhosa!

Mais tarde, enquanto visitava outros  planetas, o príncipe pensou: "(…) Deveria tê-la julgado por seus atos, não pelas palavras. (…) Mas eu era jovem demais para saber amá-la"Um geógrafo, que morava num dos planetas visitados pelo pequeno príncipe, explicou-lhe o significado da palavra "efêmera". Ele então entendeu que sua flor era efêmera, que estava ameaçada de desaparecer, e que a tinha deixado sozinha.                     
Sentiu remorso. Na Terra, encontrou um jardim cheio de rosas e sentiu-se triste por ter sido enganado por sua rosa. Ela havia lhe dito que ela era única no mundo… Mas existiam tantas! O pequeno príncipe pensou como a sua flor ficaria envergonhada ao ver todas aquelas outras rosas. Ela era como as outras!

Uma amiga raposa, a qual o príncipezinho cativara (criara laços), explicou-lhe que os laços criados é que tornavam os seres únicos."Existe uma flor… eu creio que ela me cativou…"A raposa ainda disse: " só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos." E também: " Tu te tornás eternamente responsável por aquilo que cativas."O pequeno príncipe pensou em sua rosa.

Os homens não se lembravam mais de criar laços…

" O pequeno príncipe tinha, sobre as coisas sérias, ideias muito diferentes do que pensavam as pessoas grandes"

(Antoine de Saint-Exupéry)

Cintia>> "Foi o tempo que dedicaste à tua rosa que a fez tão importante ... Se alguém ama uma flor da qual só existe um exemplar em milhões e milhões de estrelas, isso basta para fazê-lo feliz quando a contempla" - O Pequeno Príncipe

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

As 10 Qualidades do Amor Verdadeiro (anotações de uma palestra sobre Sri Chinmoy)

Aspectos Energéticos:
1 - O Amor Verdadeiro começa no coração.
No Amor Divino, a energia sobe para os chakras superiores.
No amor humano, a energia desce para os chakras inferiores.
2 - O Amor Divino expande para o Infinito, para todos os corações e todos estes vêm até você! Ele é Uniscidade!
O amor humano prende e aprisiona o outro coração.
3 - A frequência do Amor Divino é muito alta, mais elevada e por isso mais difícil de sentir.
A frequência do amor humano é muito baixa, mais pesada, mais fácil de sentir (aquela sensação de preenchimento no peito), o que pode causar o engano de esse ser o Verdadeiro Amor.
Aspectos psicológicos/espirituais:
4 - O Amor Divino é incondicional.
O amor humano sempre impõe condições.
5 - O Amor Divino sempre dá. "Quanto mais você dá, mais flui do Infinito pra você." (Dimensão Vertical)
O amor humano dá e toma. "Eu dou, mas tenho que receber." (Dimensão Horizontal)
6 - O Amor Divino nunca espera e não tem espectativas.
O amor humano espera e tem espectativas: a) não deixa satisfeito, sempre frustrado; b) quando você alcança, quer mais além; c) Vive no futuro e não no presente, limita.
7 - O Amor Divino é livre e dá liberdade.
O amor humano possui e quer ser possuido.
8 - O Amor Divino é coragem, é cheio de fé, é sem medo. Coração forte.
O amor humano é medo, sempre receoso, ciumento. Coração fraco.
9 - O Amor Divino é divino (!) e eterno. "Sempre vou te amar, esteja você aqui ou do outro lado do Universo."
O amor humano é limitado pelo espaço-tempo. "Quando vamos nos encontrar denovo?"
10 - O Amor Divino é Paz. Nunca termina. Se torna silencioso e pacífico... A chama sem fumaça é a chama do Amor Divino.
O amor humano é febre. Se torna febril, coração em chama, fica confuso, afeta o físico (corpo, mente, hormônios...). Toda febre um dia passa. A chama com fumaça é amor humano, um dia apaga.
Ci>> Foi o que eu disse! Concordo em genero, número e grau! O Amor verdadeiro não espera recompensa em troca de dar o que tem, nao espera que seja reciproco, nao busca retorno... amor de verdade nao divide, partilha; nao acumula, soma; não subtrai, divide... o resto não é amor, é paixão, é sexo, dá e passa, é efêmero demais, assim como a beleza fisica... fulgaz, instantaneo feito bola de sabão: é lindo e encanta mas num simples toque, puff! Se desintegra no ar!