quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Os arrogantes

Defeitos, quem não os tem? 


Há os avarentos, os mal-humorados, os fofoqueiros, os mentirosos, os chatos. Não os expulsamos a pontapés do universo porque todos nós, com maior ou menor frequência, um dia também já fomos pão-duros, já passamos uma maledicência adiante e já torramos a paciência alheia. 

É preciso ser tolerante com os outros se queremos que sejam conosco, não é o que dizem? Então, ok, aceitam-se as falhas do vizinho. Mas arrogância não tem perdão. E os arrogantes não são poucos. Façamos aqui um retrato falado: são aqueles que andam de nariz em pé, certos de que são o último copo d'água do deserto. 


Aqueles que são grosseiros com subalternos, que empolgam-se ao falar de atributos que imaginam ser exclusivos deles, os que furam a fila do restaurante e tomam como ofensa pessoal caso sejam instalados numa mesa mal localizada. São os que ostentam, que dão carteiraço e que sentem um prazer mórbido em humilhar aqueles que sabem menos - ou que podem menos. São os preconceituosos e os que olham o mundo de cima pra baixo. Será que eles acreditam que são assim tão superiores? Lógico que não, e isso é que é patético. Os arrogantes são os primeiros a reconhecer sua própria mediocridade, e é por isso que precisam levantar a voz e se auto promover constantemente. 


Eles não toleram a porção de fragilidade que coube a todos nós, seres humanos, e não se acostumam com a ideia de que são exatamente iguais aos seus semelhantes, sejam estes garçons, porteiros da boate ou executivos de multinacionais. Dão a maior bandeira da sua insegurança. O arrogante acredita que todos estão a falar (mal) dele, lê entrelinhas que não existem, escuta seu nome mesmo quando não foi pronunciado e, ao descobrir que não é mesmo dele que estão falando, aí é que morre de desgosto. 


Todo arrogante traz um complexo de inferioridade que salta aos olhos. Sempre tive um pouco de pena deles pelo papelão que desempenham em público. Dizem que Naomi Campbell entra nas melhores butiques brasileiras, escolhe algumas roupas e sai sem pagar, acreditando estar enaltecendo a loja com sua simples presença no estabelecimento. É uma arrogante folclórica e inofensiva. Atentos devemos ficar aos arrogantes armados: os que invadem países, os que destroem quem atravessa seu caminho. 


O caso do juiz cearense é típico: quis entrar num supermercado que já havia fechado e o vigia teve a petulância de tentar impedir. Levou um tiro, claro. Que o juiz alega ter sido acidental, sem explicar a razão de, depois de disparar, não ter nem ao menos olhado pro cadáver e ter ido direto às gôndolas atrás do que queria comprar: cerveja, gilete, sorvete, sabe-se lá o que lhe era tão urgente. Repare bem: quase todos os atos de violência são protagonizados por um arrogante que entra em pânico com a palavra não. 


Mais vale a lágrima da derrota do que a vergonha de não ter lutado, por isso lute por tudo aquilo que sonhaste, mesmo que te custe uma lágrima derramada! 


A vitória mais bela que se pode alcançar é vencer a si mesmo.

 

Martha Medeiros (do Blog ‘Amigos do Freud’)

 

*************************************************************

CINTIA>> Sabe o que eu, CINTIA, penso de quem se acha melhor que qualquer outra pessoa por que frequentou certos lugares, viagens, reuniões, clubes, festas, grupos? Sabe o que eu, CINTIA, penso sobre pessoas que julgam conhecer outro ser humano profundamente nos primeiros 20minutos de conversa em comum e se acham no direito de traduzi-las, do alto de sua arrogância própria, denegrindo e até mesmo ofendendo o próximo pelas costas, baixo seu próprio julgamento? Sabe o que eu, CINTIA, penso sobre pessoas que agem pelas beiradas, pelos cantos, na sombra de sua alta imagem, sem se expor, sem expor o que pensam de verdade por pura hipocrisia (esta sim exposta a olhos vistos)? Sabe o que eu, CINTIA, penso de pessoas que te tratam como um ser menos digno de receber um bom dia, um abraço, um afago, uma ajuda, por que você não faz parte do clube high society dos quais elas pertencem? Sabe o que eu, CINTIA, penso sobre pessoas que negam uma mão amiga em momentos difíceis a qualquer ser humano em prol do próprio umbigo e atribuem tal falha ao vento leste que soprou repentinamente naquele momento somente para não dizer a verdadeira razão pela qual negligenciou tal ajuda? EU, CINTIA, PENSO QUE HÁ UM DEUS QUE VÊ A ESSENCIA DO SER HUMANO, EXATAMENTE QUEM É QUEM e ACREDITO que quem tem mais possibilidades na vida, os que recebem mais conhecimento, mais oportunidades, mais ‘graus’ de inteligência e entendimento, recebem também maiores responsabilidades e menos direito de errar... penso que a vida o cobrará por sua conduta em algum momento ali na frente, pois nossas vidas são regidas por alguém que, aí sim, é maior que todos nós, os amarelos, os vermelhos, os pretos, os brancos, os azuis, os coloridos. E ainda assim, consciente daquilo que PENSO, não acho nada de ninguém, não imagino nada de ninguém, e nem de tempo para isso eu disponho! Não sou melhor, maior ou mais digna para PENSAR isso ou aquilo de ninguém. Ainda acredito que somos todos UM e tal qual, somos por consequência todos, absolutamente iguais. O que pode nos diferenciar é a expectativa que temos uns dos outros, e isso, parece, que muda tudo!

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Despertar Espiritual

A alma dos homens está inchada de emoções grossas e de paixões turbulentas.
O campo emocional humano está infestado de caminhos perigosos e de devoradores espirituais, que destroçam violentamente os despojos das emoçõ...es negativas.
Há muita violência na alma dos homens, e é por isso que o sofrimento os persegue tão continuamente.
Quando se fala em pacificar as emoções, as pessoas não entendem, pois as emoções violentas são mais familiares e presentes do que os objetivos da paz espiritual. É por causa das posturas emocionais ridículas que a humanidade é tão sofrível. É por causa do coração inchado que as atitudes são tão medíocres.
Os seres luminosos passam os ensinamentos espirituais, mas as pessoas não coadunam com eles e preferem entregar a alma a objetivos torpes e fúteis. O chamado do ego mascara seus melhores potenciais, levando-as à consecução de realizações tacanhas.
Parece que o ser humano porta uma doença espiritual, mas isso não é verdade. Dentro de cada um reside o potencial divino puro, só esperando o momento do despertar espiritual.

Aos que estudam os temas espirituais, um alerta:
- Não se chega aos cumes da realização espiritual portando trevas no coração;
- Não se chega às verdades da alma sintonizando a mente a objetivos escusos;
- Não se chega à pura luz com os chacras opacos;
- Não se chega às estrelas com a mochila do medo agarrada às costas;
- e não se firmam no caminho espiritual aqueles que caminham com objetivos levianos.

Paz e Luz!

Por Ramatís e Os Iniciados

 

 

By Pai Marcio Freire

Templo Umbandista de Pai Ogum e Caboclo Pedra Branca